Proteja-se.

Se sair use máscara!

Notícias

Secretária de Estado da Saúde faz balanço da gestão durante pandemia da Covid-19

01 de setembro de 2020

Em entrevista ao radialista Narciso Machado, da Fan FM, na manhã desta terça-feira, 1º, a secretária de Estado da Saúde, Mércia Feitosa, fez um balanço de sua gestão frente à pandemia do novo coronavírus. Ela assumiu o comando da pasta exatamente no princípio do ápice da crise e relaciona as principais medidas adotadas para garantir e qualificar o atendimento à população e reforçar as condições de trabalho dos profissionais de saúde.

Ela citou como medidas implementadas em sua gestão a abertura de um ambulatório para o trabalhador especificamente voltado para a testagem da Covid-19. “Vivemos momentos de muita angústia, principalmente os trabalhadores que estavam na linha de frente. Por isso a importância do ambulatório, que atua como um facilitador, onde tem médicos, enfermeiros, técnicos e se faz a coleta tanto do PCR quanto do teste rápido”, disse.

A secretária destacou outras situações importantes para o enfrentamento ao vírus como a reestruturação da rede, do fluxo de atendimento, a organização de equipes e de processos de trabalho, bem como a otimização da regulação, melhorando o acesso de leitos clínicos e de UTI. Feitosa também salientou a capacitação de profissionais, a articulação com os municípios e a parceria com a Universidade Federal de Sergipe na realização dos inquéritos epidemiológicos.

“Nesta pandemia, nosso grande objetivo que era reduzir o impacto da transmissão, do número de casos, evitar os óbitos e os casos graves, daí o investimento em protocolos ao longo desses meses que estou à frente. A gente começa a ver o retorno de todo esse trabalho e concluímos que se não tivéssemos a reorganização, o SUS atuando nessa crise sanitária muito mais vidas seriam perdidas. O investimento que foi feito em UTI é algo imensurável. Saímos de pouco mais de 40 para mais de 200 leitos de UTI”, lembrou.

Questionada sobre os critérios adotados para a reabertura dos setores econômicos, a secretária explicou que o governo do Estado precisou postergar a abertura de alguns serviços  porque o assunto foi pautado com muita cautela, responsabilidade e seguindo o cenário epidemiológico. Enfatizou que o plano de retomada da economia foi baseado em estudo desenvolvido com a comunidade científica da Universidade Federal de Sergipe e técnicos do Observatório de Sergipe e da própria Secretaria de Estado da Saúde (SES).

“Entendemos que as pessoas queriam ter suas atividades econômicas de volta, mas tínhamos um peso a levar em consideração: a vida. Sabemos que a propagação do vírus continua, nós temos pessoas adoecendo e sendo internadas. A pandemia arrefeceu, mas não acabou. Na última semana Sergipe foi o Estado com a menor taxa de crescimento de casos da Covid-19, isso é ótimo, mas é preciso manter os cuidados, ou seja, o uso da máscara, o distanciamento, a higienização das mãos, medidas que não podem sair da nossa rotina”, reformou a secretária.

Sobre a retomada das aulas, a secretária disse que esse tema é um dos focos principais de discussão do grupo e informou que está agendada uma reunião com a Secretaria de Estado da Educação e Núcleo de Educação Permanente da SES, junto com as Diretorias de Gestão de Pessoas e de Vigilância em Saúde para tratar do assunto.

“A discussão precisa ser muito bem fundamentada. É uma situação grandiosa: temos de crianças em creches a adolescentes e adultos no ensino médio e universidade; estudantes na zona rural, no interior e na capital; temos a estruturação física e a comportamental; sendo assim, como deverá ser a dinâmica do ensino neste retorno? Só posso dizer que estamos nos debruçando nessa temática para que o retorno às aulas aconteça de forma segura para todos”, concluiu.