Categoria - Notícias

Covid-19: Secretária de Estado da Saúde recebe lactantes para dialogar sobre vacinação

01 de julho de 2021

Na tarde desta quarta-feira, 30, a secretária de Estado da Saúde, Mércia Feitosa,  entendendo a importância da pauta, recebeu representantes do grupo Lactantes pela Vacina (Sergipe), para dialogar sobre a  inclusão do grupo das mulheres em fase de amamentação, na prioridade da vacinação contra a Covid-19.

A Secretaria de Estado da Saúde (SES)  esclareceu que vem seguindo as prioridades descritas no Plano Nacional de Operacionalização da Imunização Covid-19 e aguarda uma posição do Ministério da Saúde sobre a inclusão de novos grupos, já que isso depende do envio de novas remessas.

A representante do grupo Lactantes pela Vacina, Lúcia Helena Magalhães, destaca que  a reunião foi bastante positiva, mesmo se tratando de uma conversa em fase inicial, já que em outra oportunidade haverá a apresentação detalhada do número de lactantes. Ela informou ainda que esse quantitativo precisa ser atualizado pelo grupo e, posteriormente, apresentado à SES.

“Nós viemos até a secretária buscar a inclusão  do grupo na fila de prioridade para receber a vacina. A secretária quer e vai analisar toda uma estratégia de logística e quantitativo necessário. Nós temos  estudos que estão um pouco antigos, por isso, não apresentamos o quantitativo exato. Pedimos a inclusão de todas as lactantes, mas até o momento, por causa da quantidade de vacinas, focamos nas lactentes   de mães com bebês  até seis meses. A intenção é que sejam aprofundados os estudos para que tenhamos até a próxima semana  o resultado em mãos”  disse.

O diretor de Vigilância e Saúde da SES, Marco Aurélio Gois, participou da reunião e destacou  que a secretaria está avaliando o quantitativo de lactantes e a disponibilidade de vacinas enviadas pelo Ministério da Saúde. “Ficamos de fazer o balanço das lactantes priorizando, neste momento, as lactantes de aleitamento exclusivo que está preconizado até os seis meses de idade, com a possibilidade de ampliação em outros momentos. Essa discussão inicial foi para fazer esse levantamento”, disse.

Segundo Marco Aurélio, essa demanda será levada para os municípios. “Reconhecemos a importância dessa vacinação de toda a população, mas nas mulheres que amamentam temos que considerar que além da proteção da mulher temos a passagem dos anticorpos pelo leite e possibilidade de proteção de seus bebês, nesse momento, não são alvos da vacinação”, concluiu.