Proteja-se.

Se sair use máscara!

Notícias

Covid-19: Força tarefa interdita estabelecimentos por descumprir normas sanitárias

04 de janeiro de 2021

A força tarefa composta pela Secretaria de Estado da Saúde, através da Vigilância Sanitária Estadual, Polícia Militar, Corpo de Bombeiros, Procon e Prefeitura de Aracaju, realizou uma operação na madrugada desta quinta-feira, 31. A fiscalização teve por objetivo verificar o cumprimento das normas sanitárias estabelecidas pelo decreto estadual na prevenção à Covid-19 junto a boates, bares e restaurantes. Alguns estabelecimentos foram autuados e interditados em razão da aglomeração, colocando a segurança da população em risco.

Um dos locais fiscalizados foi uma boate situada na Orla de Aracaju, que havia feito solicitação para realização de evento dentro dos padrões de segurança, contudo, os fiscais constataram que não estavam cumprindo as normativas. O estabelecimento foi visitado preventivamente devido a um anúncio que circulava na internet em que o mesmo divulgava uma festa, adverso ao que teria sido solicitado para a autorização de funcionamento, sendo determinada uma interdição cautelar até que os devidos ajustes sejam realizados.

Na avenida Hermes Fontes, um estabelecimento também foi autuado e interditado por descumprir as normas sanitárias. “Sergipe está em curva de ascensão em contágio e mortes pela Covid-19, a população deve buscar uma maior conscientização dos graves riscos trazidos por esta doença, onde festas e confraternizações de fim de ano, tem sido portas de disseminação do vírus. Mecanismos já conhecidos e declarados eficientes pelos órgãos de saúde como: distanciamento social, uso de máscara e lavagem das mãos devem ser aplicados em nosso cotidiano”, alertou o coordenador da Vigilância Estadual, Ávio Brito.

Segundo ele, as fiscalizações continuarão durante todo o final de semana, principalmente por se tratar de um período festivo pelo Réveillon. “A gente pede à população que continue contribuindo denunciando eventos clandestinos e aglomerações por meio do número 190, da Polícia Militar. Nossa maior preocupação é coibir esses eventos que causam aglomeração e disseminação do vírus”, concluiu Ávio.